Filosofia & Bolachas



Abaixo com a cultura! Viva o Daniel!


Mandem-Me Mail, Sacanas!
ou então, falem comigo no AOLIM: DivineComedian42 Arquivos
(onde guardo os meus velhos posts)

Livros recentemente lidos:
"Fraeulein Else", Arthur Schnitzler
"The Complete Works Of Oscar Wilde" (em passo lento, em alternância com outras leituras)
"Sermões Escolhidos", Padre António Vieira
"Poesia Lírica", Luís De Camões
"Teatro De Gil Vincente"

Blogs (em língua Portugesa)
A Buzina Do Meu Carro É Ridícula
bisturi
Nocturno '76
bomba inteligente
Diário De Bordo-Inépcia
Filhos de Viriato
O Blog Da Papoila
deslizar no sonho
respirar o mesmo ar
doendes & duentes
sushi com colera
Cá & Lá
Contre Le Sexisme
Levante
Barnabé
Ginger Ale
Blog De Esquerda II

Blogs (em língua Iglesa)
If Then Else
Mental Fog Box
Hipster Detritus
Freezing To Death In The Nuclear Bunker
I Held Her In My Arms
radio free narnia
NYLPM
Sick & Tired Of Watching Shite

Publicações abençoadas com a minha escrita:
Hip-Hop Nation
A Puta Da Subjectividade
CultureDose

Links:
Fórum PTWeblogs
ILX
Seanbaby
X-Entertainment
I HATE MUSIC
Your Favourite Band Sucks
Robert Christgau
Inépcia This page is powered by Blogger. Isn't yours?

sexta-feira, outubro 03, 2003
 
Todos os sinais apontam para que Arnold Schwarzenegger irá ser o próximo governador da Califórnia. Um homem cuja "carreira" cinematográfica se distingue principalmente pela sua falta de talento e de quaisquers instintos estéticos; um homem cujos discursos políticos ainda se centram em moldes do século passado (communism BAD, capitalism GOOD!); um homem que, após décadas a viver nos E.U.A. ainda possui uma pronúncia aberrante (bem sei eu que o meu português também não é perfeito, mas há que impor limites!) e, como pudemos ver hoje no "Telejornal" da RTP1, um homem que, quando é confrontado com acusações de ter ameaçado uma adolescente dizendo-lhe que a iria violar, responde apenas que não se lembra do incidente mas que se foi assim ele não o fez por mal, e que teria estado a brincar. Enfim, um homem extremamente desprezível e desagradável, que desperdiçou a maior parte da sua vida a fazer filmes da merda e agora quer desperdiçar o resto a fazer política da merda.

Ai América, adorada América, o que estás a fazer?? Já possuo um grau de fatalismo suficiente para aceitar que o presidente dos E.U.A. terá sempre que ser um idiota chapado, mas o governador de um dos estados mais liberais do país? Agora só resta mesmo uma opção ao partido democrático: peguem no Steve Martin, que esse sim faria um grande governador; e já agora, podiam também colocar o Woody Allen como governador de Nova Iorque, e então teríamos realmente uma grande nação, from sea to shining sea.



quinta-feira, outubro 02, 2003
 
Alguém quer uma mix tape? Não, estou a falar completamente a sério. Não um CDR, porque essas coisas não têm graça nenhuma, mas uma cassete da velha escola. Já não faço uma há anos, 'tou mortinho por voltar à acção.


quarta-feira, outubro 01, 2003
 
Pois bem. Já chega de lamúrias. Podia choramingar por causa da minha (inexistente) vida profissional, da minha (inexistente) vida amorosa, ou até por causa do facto que a boa e velha "erva sagrada" me incentivou ontem a enviar uma mensagem com o conteúdo de "a vida é boa! a girafa é sintética!" aos telemóveis de uma parte considerável do meu círculo de amigos; mas quem precisa de ler isto? No fim é muita procissão por nadinha de nada...avante, avante, que esta vida são dois dias, e outras exclamações do género.

Ontem vi "Os Piratas Das Caraíbas". Não pensava que iria gostar, mas enfim, não posso dizer que não foi divertido. O fim é extremamente estúpido, está certo, mas quanto ao resto, o filme realiza tudo que promete e não tenta prometer algo que nunca poderia conseguir (tenham em conta que o filme se baseia numa atracção do parque de diversões da Disney - é claro que um filme destes não vai ser o "Casablanca" do novo milénio, não é?) Especialmente agradável - Johnny Depp no papel de Jack Sparrow, o pirata mais gay* que alguma vez vi na minha vida.

* Tenham em conta - isto não é um pejorativo. Tenham também em conta que estou a falar do estereótipo social da homosexualidade, não a homosexualidade em si, e que cada indivíduo (seja ele homo, hetero ou bi) pode estar tão perto ou tão longe deste estereótipo como quiser e etc. etc. etc. desculpem meninos mas hoje não há aula de sociologia, 'tá?


 
A melancolia já me tem acompanhado nos últimos dias: ontem acordei perguntando porquê o possível não aconteceu, hoje a sentir rancor perante o sonho impossível. Tudo sonhos, bem o sei, tudo vaidades - o amor romântico a servir de pretexto para o transcendental que nunca poderemos atingir.

Monte de tolices. Provavelmente existe uma canção Power Pop estilo '70 que posso aqui citar, porque é claro que aquilo que estou a sentir eu próprio não posso dizer, afinal há pessoas que eu conheço pessoalmente que lêem este blog: I need love. E blá blá blá.

Perdoem. Se calhar devia estar na cama.


terça-feira, setembro 30, 2003
 
Estagnação, estagnação.